Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Woman in Politics

Millennials are changing the future of politics

Millennials are changing the future of politics

A Woman in Politics

28
Fev19

O triste estado da Nação

A violência doméstica está a tornar-se num verdadeiro flagelo em Portugal. Raro é o dia em que não aparece nos telejornais mais uma mulher vítima mortal ou mais uma mulher levada para o hospital por maus tratos infligidos pelo seu companheiro.

 

No último mês o tema ganhou outro mediatismo quando se soube que para além de ter matado a mulher (que já sofria de violência reiterada), um homem acabou também por pôr fim à vida da sua filha de 2 anos. A mulher vá que não vá, mas a bebé não, pensou-se por aí (humor negro).

 

O tema deu que falar e, entretanto, sabe-se que a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, vai propor que o Conselho de Ministros decrete um dia de luto nacional pelas vítimas de violência doméstica e de violência contra as mulheres, isto, porque “quanto mais consciente for a sociedade de que este é um crime que queremos eliminar, de que esta violência tem de ser combatida e que todos temos de definir a capacidade de resposta, mais capazes seremos de enfrentar esta dimensão”.

 

Vamos lá por partes...

 

A sociedade já está relativamente consciente quanto ao crime de violência doméstica. Veja-se, por exemplo, que nos últimos anos o número de denúncias tem aumentado. O que falta, realmente, é que a Justiça pense o mesmo, isto é, que trate a violência doméstica como um crime.

 

Temos um juiz que aborda num acórdão “o apedrejamento de mulheres adúlteras” como forma de atenuar o crime de violência doméstica, e que recebe posteriormente uma sanção de advertência registada pelo Conselho Superior da Magistratura. O que é isso? – (perguntam vocês). É um termo sofisticado para dizer que não lhe aconteceu nada.

 

O que impede que um outro qualquer juiz faça o mesmo? Nada.

 

Deixemo-nos de lirismos baratos. O problema está há muito identificado. Haja vontade!

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D