Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Woman in Politics

Millennials are changing the future of politics

Millennials are changing the future of politics

A Woman in Politics

17
Out18

Orçamento de Estado – um “descomplicador”

Como qualquer orçamento familiar, o Orçamento de Estado não passa de umas contas de somar e de subtrair. De um lado temos as receitas do Estado, obtidas pela tributação direta ou indireta (vulgo impostos), e do outro lado temos as despesas, das quais as remunerações da função pública e as transferências correntes (pensões, subsídios de desemprego) têm o principal peso. Não é uma crítica, é um facto.

Para quem tiver mais curiosidade sobre as rubricas da despesa e da receita do Estado podem visitar a página Pordata (ver despesa e receita).

O que o Governo faz é um “tira aqui e um dá ali”, consoante naturalmente os seus objetivos do momento (para o ano há eleições, já estão a ver...). No final das contas, convém que o défice esteja abaixo dos 3% do PIB para não atiçarmos os nossos amigos alemães. A dívida (défices acumulados ao longo dos anos) também deveria estar abaixo dos 60% do PIB, mas a nossa já vai nos 120%. Meros detalhes que parecem passar ao lado dos Governos que por lá vão passando...

Agora vejamos, estamos em 2018 e estamos a preparar o Orçamento para 2019. O que fazemos são previsões, porque não sabemos o que de facto vai acontecer em 2019, nem os choques económicos que vão ocorrer (bancos que vão à falência, aumento do preço do petróleo, mais Trumps na política, etc, etc...).

O que se deve fazer então?

Ter muita atenção aos cenários económicos que assumimos no que respeita ao crescimento económico. Contudo, o Conselho de Finanças Públicas alerta que o “cenário macroeconómico subjacentes à proposta de lei do Orçamento do Estado para 2019 não pode ser considerado como o cenário mais provável ou um cenário mais prudente”. Trocando por miúdos, o Governo pode estar a ser demasiado otimista.

Também o que pode acontecer se as projeções derem errado?

O Zé tuga pagar e calar? O normal, portanto...

 

 

25
Ago18

Os rebeldes e a política

Esta semana não foi auspiciosa para o deputado Galamba. Na sequência do vídeo em que Centeno aparece a parabenizar a Grécia pela saída do programa de assistência, Galamba refere na sua conta de Twitter que este é "um vídeo lamentável que apaga o desastre que foi o programa de ajustamento grego e branqueia todo o comportamento das instituições europeias". Uma entrada a pés juntos como se costuma dizer na gíria futebolística, acompanhada por reações semelhantes no Bloco de Esquerda (de que partido é Galamba??). Hoje, o semanário Sol avança com destaque de capa "o mistério da casa de férias do deputado Galamba" (ver capa https://capas.newsplex.pt/capas/capa_jornal_sol_25_08_2018.jpg ). Se não fosse silly season, seria uma daquelas coincidências.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • cheia

    Uma imagem para a História, num ano adiado.Boa noi...

  • Maria

    Fantástica, a imagem! Vale muito mais que as sempr...

  • A woman in politics

    Boa Páscoa

  • cheia

    A propaganda tenta esconder o que falta.Boa Páscoa

  • cheia

    Bem precisávamos de ter mais estadistas assim. E, ...

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D