Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Woman in Politics

Millennials are changing the future of politics

Millennials are changing the future of politics

A Woman in Politics

30
Jan20

Sondagem: Chega de Ventura apanha PCP

As intenções de voto no PS já caíram 3,5 pontos face às eleições legislativas e a distância face ao PSD encurtou-se para sete pontos. Entre os mais pequenos, o Chega ultrapassou o PAN e igualou o PCP. Já o CDS desceu para a oitava posição.

De acordo com esta sondagem da Intercampus para o Negócios e CM/CMTV, podemos tirar umas conclusões rápidas:

Aquele partido que ninguém dava nada por ele, em apenas um ano, consegue ter um deputado eleito e já chega aos 6%. Mas, continuemos a negar o inegável… 

O partido do taxi, está rapidamente a converter-se no partido da segway. Também é interessante constatar que o Chega para além de estar a roubar eleitorado ao PCP parece que capta votos da ala mais conservadora do CDS.

Tudo boas notícias. Só que não...

27
Jan20

O CDS de "Chicão" e as mulheres

Na lista para a Comissão Política Nacional os cargos de presidente, vice-presidentes, secretário-geral e coordenador autárquico ficaram para homens. Primeira mulher surge na condição de vogal executiva.

Agora torna-se evidente a preocupação de uma parte do CDS com as quotas de género… Um partido que não consegue identificar ou reconhecer mulheres com mérito, quando se diz defensor da meritocracia só pode ter o caminho que o CDS está a ter… O caminho da extinção.

15
Out19

Um “descomplicador” do Liberal

João Cotrim de Figueiredo, recentemente eleito deputado pelo Iniciativa Liberal em entrevista à Lusa defende um desagravamento fiscal para uma taxa de IRS única de 15%, por duas razões.

Primeiro, por uma questão de simplificação, “porque o número de horas passadas a submeter e verificar declarações tem um valor económico brutal e que não está devidamente contabilizado”. Segundo, por ser uma política para combater a fuga de talentos para o estrangeiro, talentos que logo no terceiro ou quarto ano das suas vidas profissionais entram em escalões com taxas marginais de 38% ou 40%.

Vamos lá por partes. Primeiro, alguém se esqueceu de dizer ao deputado do Iniciativa Liberal, que Portugal pode não estar na pole position das economias europeias, mas esse tipo de cálculos de IRS já são automáticos (o argumento não pega). Isto de estar constantemente a comparar o socialismo português com o socialismo da Venezuela está a baralhar o partido.

Segundo, fui fazer as contas e percebi que para pagar uma taxa de 38 a 40%, o jovem talento (solteiro e sem filhos) iria receber entre 8000 a 11000 mês. Se é legítimo o Iniciativa Liberal ter como alvo este tipo de eleitorado? Claro que sim, também precisam de representação. Mas que os outros eleitores, principalmente os que percebem pouco de política, entendam quais são as verdadeiras causas do Iniciativa Liberal. 

Penso que será escusado dizer que uma flat rate de 15% se ia traduzir num aumento de impostos para aqueles que hoje pagam menos de 15% de IRS. Façam as contas e já sabem quem são ;)

 

08
Out19

O PSD e os resultados das eleições Legislativas

O PSD era apontado há meses como o grande perdedor das eleições legislativas. Não basta acusar as sondagens de tão baixas expectativas, quando há cerca de 5 meses os resultados das Europeias foram o que se viu.

No entanto, também por responsabilidade da desgraçada campanha eleitoral do PS e por receios da maioria absoluta (sem excluir obviamente o mérito de Rui Rio), o PSD teve um resultado que se pode considerar honroso. Deitar areia para os olhos, acusando o PSD de ter um fracasso eleitoral já é tentar vender os resultados de forma a que dificilmente correspondem à realidade.

Bem sei, que já há muito os críticos internos no PSD estavam preparados para aparecer num cenário de tragédia eleitoral. A tragédia, em abono da verdade, não aconteceu, mas viram-se impelidos a vir a cena, não fossem perder a carruagem das futuras lutas pela liderança do partido.

The show must go on.

17
Ago19

António Costa - Sei o que fizeste há 2 verões passados

O Primeiro-Ministro António Costa falou ontem aos jornalistas à saída da reunião com o Presidente da República. Qual não é o meu espanto, quando de forma insistentemente cínica refere a ausência/férias do PSD e do seu líder, no período de greve dos motoristas.

Sim, Rui Rio é politicamente inábil! Sim, Rio devia ter falado antes e de forma mais assertiva! Sim, o PSD vai ter um resultado trágico nas Legislativas! E sim, Rui Rio vai ser obrigado a deixar a liderança do partido!

Contudo, é constrangedor ver António Costa a criticar as férias do líder do PSD, quando em 2017 (o PS era Governo) decidiu tirar férias para Ibiza, estavam ainda os portugueses a chorar as vítimas de Pedrógão e a assimilar o roubo das armas de Tancos.

Isto lembra-me aquele velho ditado popular que mete pimenta e refresco na mesma frase…

Contenção Sr. Primeiro-Ministro, muita contenção!

14
Ago19

A greve dos motoristas e a hipocrisia do Governo

Mesmo com serviços mínimos e requisição civil em cima da mesa, os abastecimentos continuam a falhar. Agora discute-se a duração de horários de trabalho, com o ministro do Ambiente a recordar que o limite para estes motoristas são as 60 horas semanais. Requisição civil não encurtou a greve - sindicato diz que ela pode durar “dez anos”.”

Desde o início que se percebeu que o objetivo do Governo era de que falhassem os serviços mínimos. Daí o valor estipulado ser tão alto. Porquê? Porque no entendimento de Costa e Companhia se os serviços mínimos fossem elevados maior o risco de não cumprimento. O Governo sairia bem e rápido da turbulência mediática da greve, em busca da tão ambicionada maioria absoluta.

Contudo, estas declarações e a perseguição que estão a fazer aos motoristas é ridícula. Considerar-se que é “normal” que os motoristas possam fazer até 60 horas semanais, não é estar à partida do lado de uma das partes? Lado esse que não é o dos motoristas? Se é normal as 60 horas semanais, também não deveria ser normal um salário base ajustado a esse horário de trabalho?

Realmente está aqui um belo cartão de visita…Parece que o direito à greve faz parte do passado e foi revogado pela própria esquerda. 

12
Ago19

Porque não adiar a greve?

Numa altura em que se ultimava os preparativos para a greve dos camionistas de matérias perigosas, e já quando muitos comentavam o silêncio do líder do maior partido da oposição, Rio “interrompe” as suas férias nas praias de Viana do Castelo com a seguinte pérola:

rio.png

Porque o Governo não adia a greve? - é a dúvida que paira...

Rio tem grandes limitações como político, mas não o podem acusar de falta de sentido de humor. Rio e o PSD a dar tudo para descer dos 20%.

26
Jul19

Os políticos que nada aprendem

Setenta mil golas fabricadas com material inflamável foram distribuídas no programa Aldeia Segura e há também queixas sobre os coletes reflectores. Liga dos Bombeiros Portugueses pede inquérito “rigoroso”, ministro diz que se trata de uma notícia “alarmista”.

É lamentável que passados dois anos dos incêndios que nos custaram mais de 100 vítimas mortais, perceber que existem coisas que nunca vão mudar. A lei do menor esforço, da irresponsabilidade e da culpa é sempre do outro, persistem na nossa classe decisora. Enquanto não houver responsabilização a sério, e não me refiro apenas a umas demissõezinhas, será este o nosso triste fado...

 

11
Jun19

Um Partido para RIR

Na passada semana o Tribunal Constitucional deu luz verde ao Partido RIR (Reagir, Incluir e Reciclar) liderado por Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans.

Vitorino Silva, que já tinha se tinha apresentado nas últimas eleições Presidenciais, anunciou que será candidato às próximas Legislativas pelo círculo eleitoral do Porto. 

À questão sobre como se situa ideologicamente, isto é se à Direita ou à Esquerda do espectro político, Vitorino Silva responde que o RIR é “um partido 360 graus, porque o próprio nome diz incluir”.

Pelo que se percebe, o RIR não é peixe nem é carne. É uma paella mista...

10
Mai19

Sondagem - Crise política com ameaça de demissão do Governo

Segundo uma sondagem da Aximage para o Negócios e Correio da Manhã a propósito da crise política do passado fim de semana, 57% dos inquiridos considera que o Governo teve razão e cerca de 32,9% refere que está do lado dos restantes partidos (a soma...).

 

Mesmo que a resposta à pergunta “como avalia a ameaça de demissão” não tenha sido muito clara, em que 49% considera que António Costa agiu bem contra os 44% que pensam que agiu mal, nota-se na primeira pergunta um padrão bastante revelador.

 

A aguardar por uma sondagem (mais recente) para as eleições Europeias...

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • cheia

    Uma imagem para a História, num ano adiado.Boa noi...

  • Maria

    Fantástica, a imagem! Vale muito mais que as sempr...

  • A woman in politics

    Boa Páscoa

  • cheia

    A propaganda tenta esconder o que falta.Boa Páscoa

  • cheia

    Bem precisávamos de ter mais estadistas assim. E, ...

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D